Esse artigo é para você que está procurando uma planta para uma decoração elegante com uma planta de pequeno para médio porte.

As palmeiras são angiospermas, ou seja, apresenta estrutura completa, ou seja, raiz, caule, folha, flor e fruto. Conhecida também como palmae, transmite a sensação de frescor e deixa o ambiente com aspecto bastante natural.

Possui grande variedade em espécies e combina com qualquer categoria de ambiente, seja externo ou no interior da sua casa. Além disso, é muito fácil de cuidar.

Dentre essas espécies, hoje você vai conhecer a palmeira-leque e os cuidados corretos para manter sua planta saudável. Nó, do GPA Brasil, separamos as melhores dicas para você. Continue lendo para conferir.

Sobre a planta

foto da palmeira leque
Mark Pellegrini, CC BY-SA 2.5 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5, via Wikimedia Commons
Reino:Plantae
Ordem:Arecales
Família:Arecaceae
Gênero:Licuala
Espécie:L. grandis

A palmeira-leque é uma das variações da planta e ao contrário das outras espécies, essa em questão é considerada de pequeno porte, pois, não costuma ultrapassar 3 metros de altura.

Suas folhas são grandes, abertas e resistentes e lembram muito um leque, por isso o nome. É uma planta muito elegante e seu cultivo deve ser em áreas amplas com bastante espaço. Seja no interior ou exterior da sua casa.

O caule é fino e suporta bem o peso das folhas, algumas podem florescer e apresentar uma mistura de cores que vai deixar o ambiente ainda mais bonito.

Existem várias categorias de palmeira-leque, disponíveis para todos os gostos e finalidades, mas, todas são espécies de clima tropical, ou seja, quente e úmido, não toleram climas muito frios e não são muito resistentes a ventanias.

  • Palmeira de leque grande: também conhecida como palmeira de leque japonês, é encontrada naturalmente na Oceania, em localidades de clima tropical, equatorial ou tropical úmido. Possui esse nome em decorrência do tamanho das folhas que são bem extensas.
  • Palmeira leque arredondada: essa espécie pode ser encontrada na Ásia, Birmânia, Butão, Imaláia, Índia, Malásia, Oceania e Tailândia, localidades com clima equatorial, subtropical e tropical. Seu nome é devido ao formato das folhas, que possuem formato arredondado.
  • Palmeira leque de espinhos: também conhecida por licuala de manglar, é encontrada no sul da Ásia, localidade que apresenta clima úmido. É uma espécie que tolera ambientes salinos como casas que ficam próximos a litorais e pode chegar a 5 metros de altura. Ao contrário do que o nome sugere, não é uma planta espinhosa, eu nome é em decorrência formato das folhas que são mais finas que as das outras espécies e lembram espinhos.
  • Palmeira leque do México: sim, é uma espécie nativa do México, mas, pode ser encontrada na Espanha, Flórida, Ilhas Canárias, Ilha da reunião, Nova Zelândia, Havaí e Califórnia. Estados de clima quente e úmido. É a maior espécie do gênero e pode chegar a 30 metros de altura.
  • Palmeira Leque de Fiji: apesar do nome, é uma espécie nativa de Tongo, também localizada na Oceania. Pode ser encontrada em Fiji, Samoa e Marquesas, mas, provavelmente foi plantada lá e não surgiu de forma natural. Essa planta geralmente encontrada em florestas tropicais secas.
  • Palmeira Leque da China: também conhecida como falsa Latânia é nativa do Japão, Taiwan e China em regiões de clima subtropical. Suas folhas possuem mais caimento que as das outras espécies sendo divididas em pequenos ramos.

Dicas para cuidar da sua Palmeira

caule da palmeira visto de cima com duas folhas
Photo by David J. Stang, CC BY-SA 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0, via Wikimedia Commons

Ao escolher sua planta, é preciso que você entenda a importância dos cuidados que deve ter com ela. Afinal, é um ser vivo e precisa do compromisso em relação a esses cuidados.

O primeiro passo é pesquisar sobre os locais de onde a planta é nativa, assim você entenderá o clima favorável ao crescimento saudável da espécie.

Na pesquisa você também deverá identificar o solo adequado para plantio, a frequência de regas e quantidade de água ideal em cada rega.

Outro fator importante são as condições do ambiente, se deve ser bem ventilado, se a planta gosta de ficar suspensa, se gosta de meia sombra ou sol pleno assim por diante.

E por último e não menos importante, quais pragas costumam afetar essa planta e quais as atitudes e rotina necessária para combater esse problema.

Dessa forma vai ser possível que você tenha todas as informações necessárias para manter a planta com boa saúde durante todos os ciclos.

E no caso da palmeira-leque, é muito importante que você tenha noção de qual espécie adquiriu no ato da compra, ou se for o caso, qual foi Escolhida pelo paisagista.

Como regar

A palmeira-leque é nativa de localidades que apresentam clima equatorial, tropical ou subtropical. Esses climas possuem alta incidência de chuvas e geralmente são quentes e úmidos.

Devido ao ambiente ao qual seu DNA está adaptado, é uma espécie que ama solo úmido, então, o recomendado é que você regue de 2 a 3 vezes por semana. Não precisa esperar o solo secar para fazer a próxima rega.

Não tenha medo de regar, como é uma planta de pequeno a médio porte, precisa de abundância em água. Mas fique sempre observando para não exagerar e acabar “afogando” a planta ou fazendo com que surjam fungos.

Palmeiras não são o tipo de planta que armazenam água. Na natureza esperam pelas chuvas e se cultivadas artificialmente, ou seja, por humanos, dependem do seu compromisso. Se você for do tipo que esquece, peça a alguém para molhar ou coloque lembretes e alarmes para sinalizar o dia e horário da rega.

Os melhores horários para regar plantas são ao amanhecer e ao anoitecer. Esses momentos são os mais adequados porque a luz do sol é inexistente ou está fraca e possibilita que o vegetal tenha mais tempo para absorver a água sem que o calor a faça evaporar rapidamente.

Como não possuem as folhas com textura aveludadas, está permitido que você borrife água nas folhas, assim você a manterá mais hidratada e protegida dos raios solares que podem queimar todas essas magníficas folhas.

A palmeira-leque é mesmo uma espécie de crescimento lento, então não cometa o erro de pensar que é por falta de água e aumentar a frequência. Isso pode facilmente matar sua planta.

Apenas plantas aquáticas gostam de ficar encharcadas, então, nunca deixe o solo ou vaso parecendo um lago, umidade em excesso pode criar um ambiente perfeito para o surgimento de fungos, vírus e bactérias difíceis ou impossíveis de tratar.

A quantidade de água deverá ser proporcional ao espaçamento entre as regas. Se você regar 2 vezes na semana precisará de quantidades maiores de água em comparação a regar três vezes.

Siga todas as nossas dicas e você não terá problema quanto a hidratação da sua planta. A água ajuda durante processo que a planta passa para germinar as sementes e é utilizada na fotossíntese.

Como deve ser o solo

O solo de regiões tropicais, em condições normais e naturais são ricos em ferro e calcário. Bem nutritivo e com bom sistema de drenagem.

Para sua palmeira-leque ter um bom desenvolvimento o solo deve se assemelhar ao original.  Algumas palmeiras prederem solos arenosos, se informe bem antes de começar a cultivar.

O mais adequado é que a planta fique diretamente plantada na terra para ter mais espaço, mas pode ser cultivada em vasos do material da sua preferência. O ideal é que seja feito de material resistente como gesso ou barro.

Esses vasos devem ter boa drenagem, pois, como você leu no tópico anterior, essa espécie gosta de solo úmido, mas, isso não deve ser confundido com solo encharcado.

Para garantir esse aspecto, o vaso deve ter aqueles costumeiros furos na parte inferior para que a água possa escorrer e evitar que acumule, apodreça as raízes ou faça que a planta seja atacada por qualquer tipo de fungo, vírus ou bactéria.

Outra dica é quando for colocar a terra no vaso, colocar uma camada de pedras e cascalhos para garantir uma drenagem ainda mais eficiente, fazendo com que a água escorra ainda mais rápido.

O adubo ideal é preferencialmente um substrato orgânico. Apesar de ser o que age de forma mais demorada, é o mais eficaz para a espécie. Na natureza, esse substrato vem de outras plantas mortas que fazem com que a terra fique nutritiva para a próxima que crescerá no local.

Não é por serem orgânicos que precisarão obrigatoriamente serem produzidos em casa, você poderá facilmente encontrar em lojas especializadas e aplicar na planta conforme as recomendações do vendedor ou da embalagem.

Mas, se preferir, existem algumas coisas que possivelmente são encontradas em casa e podem ser utilizadas para deixar o solo em que a planta está bem nutritivo e adequado para o crescimento adequado, como casca de ovos, borra de café e casca de banana.

Qual o ambiente ideal

Essa informação pode variar conforme a espécia que você já possui ou quer comprar. Algumas palmeiras gostam de luz plena, ou seja, precisam receber no mínimo 6 horas de sol por dia.

folhas da palmeira leque em zoom
Mark Pellegrini, CC BY-SA 2.5 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5, via Wikimedia Commons

A maioria das espécies prefere ser cultivadas em ambientes com meia sombra, isso não quer dizer que tenha que colocar metade da planta no sol e a outra parte na escuridão! Esse termo diz que precisa receber de 2 a 4 horas de sol por dia.

A palmeira-leque deve ser colocada em um ambiente que tenha boa iluminação e ventilação, mas não confunda isso com ventania, ventos fortes podem rasgar as folhas e danificar a planta.

Se for colocada embaixo da escada, se certifique de que é um local onde é possível que a planta receba os raios solares.

Essa espécie não se dá bem em climas frios e secos, então, evite deixá-la exposta ao ar condicionado.

Tenha cuidado com cães e gatos que podem urinar na raiz e caule da planta ou arranhar as unhas.

Decoração

Pode ser colocada na parte interior casa se o local escolhido seguir esses requisitos. Mas, se estiver tudo conforme o recomendado nesse artigo, essa planta vai dar um belo destaque para o cômodo.

É perfeita para abrilhantar jardins por parecer uma pequena árvore de caule estreito, você pode deixar com um aspecto ainda mais elegante se colocar pedras amarronzadas ou brancas por cima da terra, independente de ser no vaso ou não.

Você optar por manter ela sozinha ou acompanhá-la de outras espécies, além de deixar o ambiente mais verde e natural vai fazer com que o solo fique úmido por mais tempo.

A palmeira-de-leque pode ser posta em jardins de inverno se o espaço for amplo ou pode ser colocada na entrada da casa, no jardim principal. Você pode fazer caminhos ou deixá-la isolada em algum ponto estratégico.

As flores aparecem na fase adulta da planta e dá um contraste incrível de cores do rosa com o verde vivo das folhas, por exemplo.

Como lidar com pragas

Esse é um problema muito comum que pode ocorrer em qualquer categoria planta, lidar com pragas e doenças é estressante e desgastante para quem cultiva e principalmente se for diagnosticado de tardiamente.

  • Você deverá checar sempre as folhas, caule, folhas e raízes diariamente para ter certeza de que está tudo bem.
  • A praga mais comum nessa espécie é a broca-do-olho-das-palmeiras. Esses insetos podem aparecer como larvas ou como besouros pretos com aspecto aveludado. Esse inseto se instala e utiliza as fibras da própria planta para construir um casulo.
  • Pode atacar a planta em qualquer época do ano e possui hábitos diurnos, mais fácil de identificar. Além disso, exalam um odor forte.
  • Para eliminá-los é necessário colocar uma armadilha que poderá ser comprada em alguma loja especializada. Essa armadilha terá um cheiro agradável para os insetos e vai atrair eles.
  • Outra praga comum é o ácaro da necrose. É um inseto branco que utiliza a planta como alimento. Existem alguns remédios eficazes no combate dessa praga como abamectina, azadiractina, espirodiclofeno, fenpiroximato e hexitiazoxi  que também poderão ser comprados em lojas especializadas.
  • Os cupins também podem destruir a palmeira. São insetos encontrados no solo ou em objetos de madeira e se alimentam de celulose e esse é o principal elemento do caule das plantas.
  • Para combater essa praga, o recomendado é a utilização de inseticidas específicos para a praga você pode adicionar mais matéria orgânica no solo já que cupins costumam atacar solos mais fracos.
  • Outra alternativa é criar barreiras no solo ou utilizar inseticidas específicos para o controle de cupins.

Confira nosso artigo sobre suculentas

Esse artigo foi útil para você? Converse conosco através dos comentários.

Mark Pellegrini, CC BY-SA 2.5 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5, via Wikimedia Commons

IMPORTANTE: O conteúdo deste artigo foi atualizado em 01-10-2021 pela equipe do GPA Brasil. O Artigo acima ou qualquer conteúdo do site tem função apenas informativa e deve ser utilizada sempre com atenção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *