Procurando algumas plantas para sua casa que não precisem de tanto cuidado? Confira o artigo abaixo que irá te ajudar a escolher uma que raramente precisa ser regada.

Existem diversas espécies de plantas e é possível encontrar em muitos tamanhos, formatos e cores, para todo tipo de pessoa e de necessidade.

Essas espécies estão distribuídas em várias partes do planeta e cada uma possui estrutura para se adaptar ao seu habitat de origem seja ele, seco ou chuvoso.

Muitas pessoas querem cultivar plantas, mas, além de não saberem por qual iniciar esse processo, não dispõem de tempo para cuidar. Se você se encaixa nessa descrição, esse artigo é mais que perfeito para você.

Para começar, dê preferência a plantas fáceis de cuidar, ou seja, que não necessitam de cuidados constantes como reposição de adubo e regas com pouco tempo entre elas.

Pensando em te ajudar, nós do GPA Brasil, separamos 5 plantas de clima quente e seco que quase não precisam de água e são muito simples de cultivar.

Lavanda

foto da planta lavanda

A lavanda, ou alfazema, é uma planta muito fácil de cuidar. É uma espécie originária do Sul da Europa, norte da África e Arábia. Costuma ser encontrada em áreas compostas por montanhas, bastante iluminadas e apresentam clima seco.

Dito isso, fica fácil entender do que a planta gosta. Por estar acostumada com clima seco, a lavanda não precisa de muita água para crescer bonita e saudável.

Aqui no Brasil temos alguns campos de lavanda como em Gramado, no Rio Grande do Sul e em Cunha, no Estado de São Paulo.

Essa espécie possui diversas finalidades, dentre elas, podemos citar fins decorativos e medicinais como calmante e anti-inflamatória. Seu aroma é muito utilizado em perfumes, desinfetantes e aromatizantes de ambiente e sua cor lilás dará vida a qualquer local que estiver.

Pode ser utilizada também para massagens e para combater a insônia.

A lavanda gosta muito de clima quente e com temperaturas altas, é uma planta muito resistente por isso, também suporta baixas temperaturas e até geadas.

Seu aroma é devido a um óleo essencial produzido por ela e para continuar sendo produzido é necessário que a planta fique pelo menos 5 horas exposta à luz direta do sol, já que é uma planta de clima quente e fica exposta na natureza.

A folha não deve ser molhada e nem borrifada, a espécie ficará bem mesmo em período de muito calor. O solo deve ter boa drenagem então: vasos com furos e você pode colocar uma camada de cascalhos e britas no meio da terra para que a água escoe melhor.

Além dos benefícios citados acima, a lavanda pode ser utilizada em pratos culinários. Pode substituir o alecrim em algumas receitas e, é utilizada para dar cheiro em algumas produções, pois, suas pétalas são adocicadas.

Na decoração pode ser usada de diversas formas, ponha em prática sua criatividade. Pode ser cultivada em apartamentos ou casas, sozinha ou com acompanhando outras plantas.

Além de dar vida e cor ao ambiente, também vai proporcionar um aroma maravilhoso e deixar sua casa sempre perfumada.

Sobre a frequência de regas, de uma a duas vezes por semana é o suficiente. Mas, se forem brotos novos, precisarão ser regados diariamente.

Fique atento (a) ao surgimento de pragas e cuide logo do problema. Nunca deixe o solo encharcado, isso poderá matar sua planta.

A lavanda não é tóxica para humanos e nem para cães e gatos.

Rosa-do-deserto

foto da  rosa do deserto
Shirsendu006, CC BY-SA 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0, via Wikimedia Commons

A Rosa-do-deserto é uma planta, que como o nome sugere, encontrada na natureza em locais que apresentam climas desérticos como o sul do Deserto do Saara, localizado no continente africano.

Esse ambiente possui clima quente, seco e com pouca incidência de chuvas. Além disso, a flora desses locais ficam expostas diretamente ao sol. Essa espécie em questão é perfeita para o nordeste, por exemplo. Mas, pode sobreviver em regiões brasileiras mais frias com os cuidados corretos.

O formato se assemelha a uma mini árvore. Possui um caule (bulbo) grosso que, acaba em pequenos galhos mais finos onde começa a abundância em folhas e flores.

O cultivo no Brasil ainda é recente, mas vem conquistando o coração dos amantes de plantas brasileiros. É perfeita para ornamentação e proporciona beleza e calmaria no ambiente com flores nas cores vermelhas ou rosa.

Cuidar da Rosa-do-deserto é muito simples, pois, por ser originada em clima desértico, consegue sobreviver a grandes períodos de seca, ou seja, sem água.

Sobrevive sendo tranquilamente regada de uma a duas vezes na semana em estações mais quentes e, a espaços entre 8 e 15 dias em estações mais frias.

Essa espécie não tolera solo úmido, então se certifique que a terra está seca antes de regar novamente. Você pode usar o dedo para checar ou colocar um palito, se sair limpo, pode molhar.

Solo úmido demais pode apodrecer as raízes e aumentar as hipóteses de a planta ser infectada por vírus ou bactérias

O ambiente ideal é óbvio, qualquer lugar em que a planta possa ficar exposta à luz direta do sol por no mínimo seis horas por dia para seguir saudável.

Pode ser cultivada em apartamentos desde que em algum local da sua casa tenha algum local onde a planta possa receber essa luz por essa quantidade de horas.

O solo deve ter boa drenagem, lembre-se de onde essa planta veio, coloque ela em vaso com furos no interior recipiente aposte na utilização de cascalhos ou britas.

O adubo pode ser algum específico para a espécie ou qualquer um que incentive a floração. Não se desespere se as flores não surgirem rápido, geralmente levam de 1 a 2 anos para brotar após o nascimento da planta.

Se informe na loja de fertilizantes ou através de pesquisas na internet quanto do composto você deve colocar. Adubo em excesso pode prejudicar a planta, pois, facilita o surgimento de cochonilhas e pulgões.

Pata-de-elefante

A pata-de-elefante, nolina ou biucárnea é uma planta natural das áreas desérticas do México. Possui esse nome devido à estética do tronco que possui a base larga e lembra muito a pata do elefante.

Pode ser cultivada no interior de casas e apartamentos em locais que recebam bastante luz do sol, mas, ficam ainda mais bonitas em jardins se combinadas com outras espécies.

Suas folhas finas e compridas possuem um caimento hipnotizante, como se fossem fios de cabelo e essa aparência diferente vai tornar sua casa muito mais aconchegante e com ar de naturalidade.

Se tiver espaço, pode crescer muito e atingir de 3 a 5 metros de altura, mas, se mantida em vasos pequenos se adaptam fácil e ficam compactas.

Por ter origem em áreas desérticas também não precisa de muita água, o tronco grosso permite que a planta armazene água para sobreviver a extensos períodos de seca, então, espaços de 15 em 15 dias são ideais entre as regas.

A nolina gosta de solos com boa drenagem, ou seja, que não acumulem água em nenhum ponto e esse fator também é devido ao local de origem da espécie.

O composto ideal é o orgânico, que pode ser comprado em lojas especializadas ou feito por você com ingredientes fáceis de encontrar e que geralmente vão para o lixo como casca de ovos, borra de café, etc.

Só é necessário adubar se aparecerem folhas amareladas ou amarronzadas e secas para apenas para manter a beleza da planta.

A temperatura do ambiente também é um fator que influencia diretamente na saúde da nonila, muitas vezes são mantidas em estufas ou no interior das casas para não ficarem expostas ao frio. Essa espécie não consegue sobreviver a temperaturas abaixo de 10°.

Sempre observe bem a planta para detectar possíveis pragas, a mais comum nessa espécie são as cochonilhas, pequenos insetos que geralmente se escondem na parte inferior das folhas e no caule.

Além de pragas relacionadas a insetos, fungos podem apodrecer as raízes da planta se o local estiver muito úmido. Para resolver, utilize fungicidas e tente manter o solo o mais seco possível durante o processo.

Apesar de parecer, a pata-de-elefante não é uma palmeira e sim uma espécie arbustiva. Você pode melhorar ainda mais a decoração colocando pedras nos vasos ou em volta do caule se plantada diretamente no solo.

Espada-de-são-jorge

foto da espada de são jorge
Hannes wilms, CC BY-SA 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0, via Wikimedia Commons

A espada-de-são-jorge ou espada-de-Ogum é uma planta originada na África e essa nomenclatura vem do formato que lembra uma espada.

Se desenvolve muito bem sozinha e não necessita de cuidados constantes. Ideias para quem quer cultivar plantas, mas, não dispõe de muito tempo para dedicar a essa atividade.

Devido ao ser ambiente de origem ser de clima seco e quente, é mais uma planta que gosta de ficar diretamente exposta ao sol. Caso que você more em apartamento e não tenha quintal, deixe em algum local que tenha bastante iluminação.

Além disso, não precisa de muita água, regar uma vez na semana é o suficiente para que a espada de Ogum cresça bonita e saudável.

O solo deve ter boa drenagem assim como a todas as plantas presentes nesse artigo, já que são todas originadas em locais de clima seco e quente. Se o solo ficar muito úmido a planta pode ser atacada por fungos, vírus e bactérias.

Sempre se certifique que o solo está seco antes de regar para evitar que a planta morra.

O adubo também é muito fácil de ser encontrado e você poderá escolher entre o orgânico e o inorgânico.

Existem algumas variações dessa planta e algumas toleram menos sol do que outras. Dentre elas podemos citar a versão mini, a espada de Santa Bárbara, a lança de São Jorge e a versão que possui folhas largas e arredondadas

E para quem acredita, essa espécie é utilizada para afastar energias negativas do ambiente e recomenda-se que seja colocada na entrada da casa já que, por lembrar espada, sugere combate.

Cacto

foto d e  um mini cacto plantado em um vaso

É uma planta característica do nordeste brasileiro, ou seja, aguenta fortes temperaturas e grandes períodos de seca. Então, não, demanda de regas constantes.

Essa planta é perfeita para quem sai o dia todo e não tem como cuidar da planta o tempo todo. E perfeita para apartamentos que geralmente são pequenos e não tem muita entrada de luz solar.

Existe uma variedade enorme de espécies de cacto e o que faz essa planta se tornar mini é o vaso que você vai escolher para o plantio ou que vai comprar. A planta se adapta ao ambiente então se o vaso for pequeno, o cacto se manterá pequeno.

Como são plantas originadas de ambientes quentes e secos não precisam de muita água. Essa categoria de vegetal armazena abundância de água justamente para ser possível sobreviver em lugares onde a chuva é escassa.

Existem ainda os mini cactos com flores, optar por essa variação vai deixar sua casa ainda mais aconchegante e colorida. Além disso, é possível encontrar muitas opções de formatos e tamanhos.

Essa categoria de planta é muito fácil de cuidar, a rega pode ser feita 1 vez por semana em horários da sua preferência. Mesmo aguentando grandes períodos sem serem molhadas, são seres vivos e obviamente precisam de água para sobreviver.

O solo deve ser com boa drenagem, para isso é recomendado que você utilize aqueles vasos com furos no fundo, assim, a água poderá escorrer e não irá apodrecer as raízes.

Além disso, você pode colocar algumas britas na terra e cascalhos. Isso vai fazer com que a água escorra de forma mais rápida e não fique acumulada evitando que a raiz do seu cacto apodreça.

Deixar o solo muito encharcado pode desencadear diversos problemas, facilita a proliferação de fungos e bactérias que podem causar a morte da planta se não tratados ou diagnosticados tardiamente.

Evite usar o prato embaixo do cacto se você não vai lembrar de jogar fora a água que ficar retida após a rega, isso pode criar um ambiente perfeito para o mosquito-da-dengue.

Todo ser vivo também precisa de nutrientes para crescer bem, geralmente o solo já bem adubado, mas, você pode encontrar compostos ideais em lojas especializadas ou pesquisando na internet.

Essa categoria de vegetal gosta vive recebendo luz direta do sol na natureza então, tente criar um ambiente o mais próximo disso possível. Coloque em algum lugar que entre raios solares a maior parte do dia como na janela.

Tente não molhar as folhas inicialmente para não as prejudicar enquanto ainda estiverem novas. E tome sempre cuidado com os espinhos, alguns podem causar coceira.

Deixe fora do alcance de crianças e animais como gatos e cães devido aos espinhos.

Esse artigo foi útil para você? Nos conte nos comentários.

IMPORTANTE: O conteúdo deste artigo foi atualizado em 01-10-2021 pela equipe do GPA Brasil. O Artigo acima ou qualquer conteúdo do site tem função apenas informativa e deve ser utilizada sempre com atenção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *